PDP: mais de 30 mil imóveis foram liberados em 2011 e 2012

O assunto da verticalização da cidade é um dos mais presentes nas quatro primeiras entre as 11 oficinas territoriais do Plano Diretor Participativo, realizadas de segunda (23) a quinta-feira (26) desta semana, e reflete no dia a dia das pessoas – principalmente em questões como mobilidade urbana, saúde e segurança.

Preocupação com a verticalização exagerada da cidade é recorrente

Preocupação com a verticalização exagerada da cidade é recorrente

Jundiaí contabiliza 31.521 unidades em prédios de apartamentos aprovadas em 2011 e 2012. De 2013 para cá, no entanto, a atual administração municipal iniciou um processo criterioso e conseguiu reduzir essa taxa para 3.196 unidades em 2013, 2.425 unidades em 2014 e 106 unidades neste ano.

“Precisamos em alguns casos esclarecer esses dados, porque muitos desses empreendimentos ainda não saíram do papel. Uma das questões que implementamos em orientação do prefeito Pedro Bigardi foi a aplicação do Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV), um dos mecanismos previstos no Estatuto da Cidade que prevê contrapartidas de benefícios que buscam minimizar impactos. Mas vamos ainda sentir o efeito desse pico de aprovações por algum tempo”, afirma a secretária de Planejamento e Meio Ambiente, Daniela da Camara Sutti.

Além dos prédios de apartamentos, o número de loteamentos também alcançou 2.162 lotes aprovados (divididos em 11 empreendimentos) no período 2011/2012, sendo moderados a zero em 2013, a 291 (em quatro empreendimentos) em 2014 e a 600 lotes (em um único empreendimento) em 2015.

No caso das chamadas “vilas residenciais”, foram 390 unidades aprovadas em 2011/2012, caindo a zero na atual gestão.

A categoria denominada residências em condomínio oscilou menos, passando de 1.471 no período 2011-2012 para 1.268 em 2013, 235 em 2014 e duas em 2015. Também manteve-se o patamar das construções residenciais, com 1.521 (2011), 1.931 (2012), 1.156 (2013), 1.137 (2014) e 73 até o momento em 2015.

Os prédios comerciais também tiveram um pico de 1.578 unidades em 2011/2012, passando para 97 em 2013, 407 em 2014 e 11 em 2015.

As construções comerciais tiveram 295 unidades aprovadas em 2011, chegando a 783 unidades em 2012 e depois passando para 61 em 2013, 19 em 2014 e duas em 2015. Já as construções de logística ou industriais tiveram 118 aprovações em 2011, 141 em 2012, 61 em 2013, 19 em 2014 e duas em 2015.

José Arnaldo de Oliveira
Foto: Arquivo-PMJ


Publicada em 01/04/2015 ▪ Leia mais sobre ,

Plano Diretor Participativo | Desenvolvido por CIJUN