Plano Diretor leva diagnóstico prévio para Câmara

Os desafios do crescimento com qualidade de vida em Jundiaí foram apresentados pelo grupo gestor do Plano Diretor Participativo nesta segunda-feira (29) para os vereadores, na Câmara Municipal, antecipando aos mesmos a base das leituras comunitária e técnica que serão usadas para a futura proposta de governo no 2º Fórum. A iniciativa reuniu a maioria dos parlamentares e também representantes da sociedade civil.

A apresentação foi coordenada por Daniela da Camara Sutti, secretária do Planejamento e Meio Ambiente, e conduzida pelo presidente da Câmara, Marcelo Gastaldo. Também participaram os vereadores Rafael Antonucci, Paulo Malerba, Antonio Carlos Pereira Neto (Doca), Gerson Sartori, Dirlei Gonçalves (Pastor), Rafael Purgato, Marilena Negro, Márcio Pentecostes de Souza (Cabeleireiro), José Galvão Braga Campos (Tico), Rogério Ricardo, José Dias, Gustavo Martinelli e Zé Adair.

A mesa foi coordenada por Marcelo Gastaldo e pela secretária Daniela da Camara

A mesa foi coordenada por Marcelo Gastaldo e pela secretária Daniela da Camara

“Foi uma iniciativa muito positiva, porque houve o esclarecimento sobre o atual momento do processo, que é a construção de uma proposta inicial do governo a partir dos levantamentos técnicos e da escuta social”, afirmou Daniela.

A proposta começa a ser montada a partir dos levantamentos realizados com a comunidade desde 2014, por meio de questionários, reuniões e o 1º Fórum que contaram com milhares de participantes.

O encontro levou aos parlamentares a visão dos principais desafios colocados como objetivos no processo.

Conheça os desafios da cidade
São doze objetivos estratégicos definidos para a atual versão participativa do Plano Diretor.

1. Preservação, Conservação e Recuperação de Ecossistemas Hídricos e Naturais;
2. Proteção, Promoção e recuperação de Bens e Imóveis de Interesse Histórico Cultural e iniciativas culturais;
3. Proteção e Promoção do Desenvolvimento Rural e da Produção Agrícola;
4. Fortalecimento da Base Econômica local;
5. Melhoria na Mobilidade Urbana e nas condições de acessibilidade;
6. Regulação do Uso e Ocupação do Solo e da Produção Imobiliária;
7. Contenção da Urbanização dispersa e desordenada;
8. Aproveitamento de Imóveis Ociosos localizados em áreas urbanas consolidadas;
9. Melhoria das Condições Urbanas dos bairros, com oferta adequada de equipamentos de educação, saúde, esporte, lazer e cultura;
10. Provisão Habitacional de Interesse Social;
11. Urbanização e regularização fundiária de assentamentos precários ocupados pela população de baixa renda e de interesse específico;

12. Gestão Democrática com fortalecimento da participação popular nas decisões dos rumos da cidade.

Participação
Também estiveram presentes integrantes do Grupo Gestor do Plano, que é formado por 60% da sociedade civil e 40% do poder público municipal. Entre estes o presidente da DAE, Jamil Yatim, o presidente da Escola de Governo e Gestão, Marcelo Lo Mônaco, e a secretária Rita de Cássia Marchiori (de Assistência e Desenvolvimento Social), entre outros, além de especialistas de apoio do processo, como o urbanista Anderson Kazuo Nakano.

José Arnaldo de Oliveira
Foto: Fotógrafos PMJ


Publicada em 29/06/2015 ▪ Leia mais sobre ,

Plano Diretor Participativo | Desenvolvido por CIJUN