Futuro da água exige também apoio a propriedades rurais

A noção de uma cidade autossuficiente em água é um dos mitos atingidos por levantamentos do Plano Diretor Participativo. Em 2014, apesar de toda a estrutura avançada e de uma barragem com capacidade de reserva para dois meses, houve captação em todos os dias do ano nas bombas instaladas no rio Atibaia. Esse alerta reforça a importância da atenção com o tema.

Mapeamento coincide boa parte das áreas agrícolas com áreas de mananciais de água

Mapeamento coincide boa parte das áreas agrícolas com áreas de mananciais de água

O conceito excessivo sobre as reservas de água, usado por alguns anos na cidade, também desmorona outro mito que é a noção de que a qualidade de vida prescinde do estímulo para o desenvolvimento agrícola e rural como atividade essencial no século 21. Os grandes bairros rurais, não por acaso, coincidem com as bacias hídricas do rio Jundiaí-Mirim (que abastece 98% da população) e do rio Capivari (que forma mananciais para cidades vizinhas).

A ocupação urbana desordenada nessas regiões do município pode comprometer o futuro dos moradores da cidade e de sua economia, pois empresas industriais, comerciais ou de serviços não funcionam sem água. O cenário extremo de 2014 mostrou que a dependência do rio Atibaia, parte do Sistema Cantareira, pode gerar risco de colapso diante de anormalidades climáticas.

O reflorestamento das bacias desses rios, assim como o apoio para proprietários rurais desenvolverem novas formas de conservação das nascentes, é uma necessidade contemporânea no município. Com o entendimento de que existe uma relação intensa entre produção de água e atividades rurais também ficam claros outros serviços ambientais, cênicos ou de turismo desempenhados nessas áreas para a comunidade como um todo.

Série traz semanalmente dados em uso na elaboração da proposta de governo

Série traz semanalmente dados em uso na elaboração da proposta de governo

LEIA TAMBÉM
Um símbolo de Jundiaí ‘ilumina’ o Plano Diretor

Esses dados são parte dos subsídios para a elaboração da proposta de governo que será apresentada aos moradores no 2º Fórum do Plano Diretor Participativo.

Veja os objetivos estratégicos definidos:

1. Preservação, Conservação e Recuperação de Ecossistemas Hídricos e Naturais;

2. Proteção, Promoção e recuperação de Bens e Imóveis de Interesse Histórico Cultural e iniciativas culturais;

3. Proteção e Promoção do Desenvolvimento Rural e da Produção Agrícola;

4. Fortalecimento da Base Econômica local;

5. Melhoria na Mobilidade Urbana e nas condições de acessibilidade;

6. Regulação do Uso e Ocupação do Solo e da Produção Imobiliária;

7. Contenção da Urbanização dispersa e desordenada;

8. Aproveitamento de Imóveis Ociosos localizados em áreas urbanas consolidadas;

9. Melhoria das Condições Urbanas dos bairros, com oferta adequada de equipamentos de educação, saúde, esporte, lazer e cultura;

10. Provisão Habitacional de Interesse Social;

11. Urbanização e regularização fundiária de assentamentos precários ocupados pela população de baixa renda e de interesse específico;

12. Gestão Democrática com fortalecimento da participação popular nas decisões dos rumos da cidade.

José Arnaldo de Oliveira
Fotos: reprodução


Publicada em 08/07/2015 ▪ Leia mais sobre , ,

Plano Diretor Participativo | Desenvolvido por CIJUN