Capítulo I – Da Política de Desenvolvimento Econômico Sustentável – parte 1

São Diretrizes da Política de Desenvolvimento Econômico Sustentável:

(I) articular as diversas políticas sociais com a política econômica, compatibilizando crescimento econômico com desenvolvimento social, cultural e equilíbrio ambiental;
(II) estabelecer e manter relações de parcerias com organismos multilaterais, organizações não governamentais internacionais, fundações, empresas internacionais, bem como com organismos governamentais de âmbito federal, estadual e municipal, no intuito de ampliar parcerias e convênios de interesse do Município e da região, viabilizando financiamentos e programas de assistência técnica nacional e internacional;
(III) estimular o fortalecimento das cadeias produtivas do Município, integrando-as aos interesses do desenvolvimento da Aglomeração Urbana de Jundiaí;
(IV) desconcentrar as atividades econômicas no Município, buscando potencializar as vocações de cada região, incentivar o comércio e os serviços locais e induzir uma distribuição mais equitativa do emprego;
(V) dinamizar a geração de emprego, trabalho e renda;
(VI) fomentar a formação, qualificação e requalificação de mão de obra, promovendo programas de capacitação profissional;
(VII) estimular o associativismo e o empreendedorismo como forma alternativa de geração de trabalho e renda;
(VIII) fomentar instrumentos de apoio aos micros e pequenos empreendimentos, individuais e coletivos, na forma de capacitação gerencial, transferência tecnológica e concessão de incentivos;
(IX) incentivar a sinergia entre instituições de pesquisa, universidades e empresas com atividades relacionadas ao conhecimento e à inovação tecnológica;
(X) incentivar a formalização de estabelecimentos industriais, comerciais e de serviços;
(XI) fortalecer o segmento do turismo explorando economicamente o potencial rural e ambiental do Município e consolidando sua posição como importante pólo do Circuito das Frutas;
(XII) fomentar o emprego de novas tecnologias voltadas ao desenvolvimento sustentável das atividades com características rurais no Município, como permacultura, sistemas agroflorestais,e práticas agroecológicas e sistemas orgânicos de cultivo;
(XIII) manter e incentivar as áreas rurais formando um cinturão verde que contribua para aumentar a qualidade de vida no Município, proteger o ambiente natural e preservar a cultura agrícola local;
(XIV) difundir a multifuncionalidade da propriedade rural e promover a agregação de valores nos produtos agrícolas, pecuários e agroindustriais;
(XV) ampliar e apoiar parcerias e iniciativas na produção, distribuição e comercialização de alimentos;
(XVI) incentivar o desenvolvimento de pólos de economia criativa, onde serão desenvolvidas atividades econômicas baseadas na criação, produção e distribuição de bens e serviços tangíveis ou intangíveis que utilizam a criatividade, a habilidade e o talento de indivíduos ou grupos como insumos primários.

Ações prioritárias:

  • Implantação do Parque Tecnológico;
  • Implantação do Polo de Economia Criativa;
  • Implantação do Polo de Desenvolvimento Econômico Rural Sustentável;
  • Implantação das Obras de Requalificação da Região Central.


Os comentários para este texto já foram encerrados.

Quem já participou (9)

  • Gustavo Diniz de Faria disse:

    Implantação do Programa Municipal de Economia Solidária e Desenvolvimento Sustentável no prazo de 1 (um) ano após a aprovação do Plano Diretor.

  • Gustavo Diniz de Faria disse:

    O SISTEMA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL E SUSTENTÁVEL deve fomentar empreendimentos associativos, cooperativos, populares, micro e pequenos empreendimentos (que é o setor que gera mais postos de trabalho no Brasil), a agricultura familiar, a agricultura orgânica e agroecológica (segurança alimentar e nutricional e equilíbrio no uso do solo), a economia das culturas e criativa (formadas por coletivos culturais) dando tratamento diferenciado aos empreendimentos locais associados para compras públicas institucionais por meio de leis e planos municipais (compra de orgânicos, compra de pequenos empreendimentos e cooperativas e cumprimento do PAA e PNAE), organizar e fomentar catadores que desenvolvem ação essencial de triagem e reciclagem de resíduos urbanos, empreendimentos de produção de mudas e serviços ambientais, empreendedores autônomos e profissionais voltados à tecnologia, assessoria técnica e de gestão empresarial , coletivos na área de ecoturismo e turismo rural que promovem geração de renda de interesse cultural, educação e valorização ambiental.

    – Estimular o associativismo e o empreendedorismo como forma alternativa de geração de trabalho e renda;

    – Fomentar instrumentos de apoio aos micros e pequenos empreendimentos, individuais e coletivos, na forma de capacitação gerencial, transferência tecnológica e concessão de incentivos;

    – Incentivar o desenvolvimento de pólos de economia criativa, onde serão desenvolvidas atividades econômicas baseadas na criação, produção, distribuição de bens e serviços tangíveis ou intangíveis que utilizam a criatividade, a habilidade e o talento de indivíduos ou grupos como insumos primários.

    – Proposta de equipamentos e serviços públicos como incubadoras públicas para fomentar a economia local em diversas frentes, inclusive voltado para a agricultura familiar, a geração de empregos e renda, de incubadoras e polos para desenvolver a economia criativa.

    – Desconcentração das oportunidades de trabalho, emprego e renda, beneficiando os bairros periféricos;

    – Estímulo à provisão habitacional de interesse social para a população de baixa renda, incluindo pessoas que ocupam logradouros e praças públicas, de forma a contribuir para a redução do déficit habitacional existente;

  • Gustavo Diniz de Faria disse:

    Implantação do Programa Municipal de Economia Solidária e Desenvolvimento Sustentável.

  • José Henrique Losqui disse:

    implantar política de abastecimento da produção agrícola na cidade.

  • Christiano Ferreira dos Santos Basile disse:

    Oficina 2: Dia 27/10/2015- Consenso dos delegados dos Movimentos Sociais

    TÍTULO IV “AÇÕES E INVESTIMENTOS ESTRATÉGICOS NOS SISTEMAS ESTRUTURAIS”
    CAPÍTULO I- “DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL”
    Ações Prioritárias
    • Implantação da Incubadora e Certificadora Pública de Empreendimentos Populares, Solidários, Criativos e Sustentáveis (inserir)
    • Implantar política municipal de compras institucionais e governamentais de produtos e serviços da economia popular, solidária e criativa, da agricultura orgânica e de empreendimentos sustentáveis, e cumprir os programas de aquisição governamentais já existentes nos níveis federal e estadual (inserir)
    • Implementação de polos de economia criativa, solidária e sustentável, priorizando áreas com situação de maior vulnerabilidade social e econômica (modificar/reescrever a Ação Prioritária “Implantação do Polo de Economia Criativa”)
    • Implantar o Programa Municipal de Apoio ao Empreendedorismo Popular, Solidário, Criativo e Sustentável (inserir)

  • Daniel Motta disse:

    Diretrizes
    (XI) Constar tambem o turismo urbano e suas implicações para a cidade

  • Daniel Motta disse:

    Constar nos objetivos o fomento à Economia Criativa e a valorização do produtor local

  • ROBERVAL GUITARRARI (TECPROF) disse:

    Implementação de política pública de fomento à Pesquisa, Ensino e Extensão, visando a qualificação de profissionais, visando atender à necessidade do polo tecnológico, alinhados com os objetivos do Plano Diretor.

  • Marcela Moro disse:

    Como ação prioritária, sugere-se a ‘Implantação das Rotas Turísticas do Município’.



Plano Diretor Participativo | Desenvolvido por CIJUN